Como funciona antivírus para celular

Instalar um antivírus no computador faz parte da rotina de todo mundo. No caso dos celulares, essa nunca foi uma preocupação séria. Entretanto, com dados e serviços cada vez mais importantes se acumulando nos aparelhos, isso tende a mudar.

O que levar em conta ao escolher que produto vai usar? A primeira coisa a saber é que uma solução de segurança para celular é completamente diferente de uma para desktop ou notebook. Há milhões de vírus para computadores, enquanto existem poucos milhares de vírus para celulares. Por outro lado, é muito mais fácil perder um smartphone (e assim deixar seus contatos, mensagens e chamadas expostos) do que um desktop.

Então, quando falamos de segurança móvel, o mais importante é proteger os dados pessoais e a privacidade, assim como evitar que a linha seja indevidamente usada. Na prática, portanto, os antivírus são relegados a um segundo plano. Outros recursos, como bloqueio remoto e exclusão de dados, ganham mais relevância. Para quem é feito o antivírus para celular?

Os “antivírus” integram recursos de rastreamento e antifurto para terem alguma utilidade além da simples detecção de ameaças.

A disponibilidade de programas de segurança para celulares pode fazer um usuário pensar que o problema existe e é comum. Aquele que tomar cuidado com tudo o que instalar, recusar arquivos que receber aleatoriamente por Bluetooth e verificar as permissões solicitadas pelos apps no Android, dificilmente, vai ser alvo de um ataque.